Há 55 anos morria o líder congolês Patrice Lumumba

0
741

lumumbaDefensor da solidariedade entre os povos da África para além das definições de nação, cultura, classe e gênero, Patrice Émery Lumumba, líder anti-colonial congolês encorajava a luta não-violenta contra o colonialismo e chamava para o diálogo os países desenvolvidos e em desenvolvimento. A luta dele é reconhecida em todo o continente e lembrada hoje, 55 anos após a sua morte.

Fundador do Movimento Nacional Congolês (MNC), ele foi a principal liderança na luta contra a dominação colonial belga no Congo. Foi eleito primeiro-ministro em 1960, mas ocupou o cargo apenas por 12 semanas, após um golpe de estado. Lumumba foi capturado ao tentar fugir do país e assassinado em 17 de janeiro de 1961.

Em trecho durante o discurso da Independência, Lumumba diz que:

“Homens e mulheres do Congo, lutadores pela independência, eu vos saúdo em nome do governo congolês. Eu peço a todos vocês, meus amigos, que incansavelmente lutem para marcar este 30 de junho de 1960 como uma data ilustre que será sempre gravada em seus corações, uma data cujo significado vocês, orgulhosamente, explicarão aos seus filhos, seus netos e bisnetos sobre a gloriosa história de nossa luta pela liberdade.

Embora esta independência do Congo seja proclamada hoje por acordo com a Bélgica, um país amigável, com o qual estamos em condições de igualdade, não há congolês que esquecerá que a independência foi conquistada com luta, uma luta que inspirou e foi realizada no dia a dia. Uma luta na qual éramos intimidados com privações e sofrimento. Estamos profundamente orgulhosos da nossa luta, porque era justo e nobre e indispensável pôr fim à escravidão humilhante forçada em cima de nós.

Nós experimentamos o trabalho forçado em troca de pagamento que não nos permitia satisfazer nossa fome, nos vestir, ter alojamentos decentes ou criar nossos filhos como.
Manhã, tarde e noite fomos submetidos às vaias, insultos e golpes porque estávamos “negros”. Quem nunca esquecerá que o negro era tratado como “tu”, não porque ele era um amigo, mas porque o “vous” era reservado para o homem branco?

Vimos nossas terras apreendidas em nome de ostensivamente leis justas, que deu reconhecimento apenas para o direito de poder. Nós não esquecemos que a lei nunca foi a mesma para o branco e o preto, que era branda para aqueles, e cruel e desumano para os outros.

Nós experimentamos os sofrimentos atrozes, sendo perseguidos por suas convicções políticas e crenças religiosas, e exilados de nossa terra nativa: a nossa sorte era pior que a própria morte.

Nós não esquecemos que, nas cidades, as mansões eram para os brancos e as cabanas em ruínas para os negros; que um negro não era aceito nos cinemas, restaurantes e lojas reservadas para “europeus”; que um negro viajava nos porões, sob os pés dos brancos em suas cabines de luxo.

Irmãos, vamos começar juntos uma nova luta, uma luta sublime que vai levar nosso país à paz, prosperidade e grandeza. Juntos, vamos estabelecer a justiça social e garantir para cada homem uma remuneração justa pelo seu trabalho. Vamos mostrar ao mundo o que o homem negro pode fazer quando se trabalha em liberdade, e nós faremos o Congo o orgulho da África.

A independência do Congo é um passo decisivo para a libertação de todo o continente africano.”